quarta-feira, 30 de março de 2011

Quase um poema

Um poema é quase
Como um filho.
Trazido à vida,
Carece de cuidados
E muita paciência.

Se entra por um caminho
Perigoso ou inadequado
O pai-poeta diz
‘Não’ e ele volta.
Reescreve-se melhor.

E enquanto ganha forma
Vai também moldando
O seu criador.
Ensinam-nos muito
As crianças.

Um poema é quase
Como um filho.
Nasce do amor e do pecado.
Mas o pecado de amor
Há de ser perdoado.

Um poema é quase
Como um filho.
Depois de pronto
É mister que seja entregue
Ao mundo.

Como um filho, ele tem
Sua missão a cumprir:
A liberdade.
Vai,
Meu passarinho!

4 comentários:

  1. Que fofo! Esse poema é um amor! Os meus, às vezes, saem meio malcriados. :) Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Uma canção!
    O hino do meu reino interior.

    ResponderExcluir
  3. Voa,passarinho.Seu vôo apenas começou.Vai atingir lindas nuvens,lá encima!

    ResponderExcluir