domingo, 27 de março de 2011

Vôo e volto


Compromisso é algo que precisa ser levado muito a sério. Por isso, os compromissos metem medo. Confesso que há muito desejo ter este espaço – que é mais ou menos público, mais ou menos privado – onde meus escritos sejam colocados à prova e com o trato de mantê-los com certa regularidade. Bem, é um trato que eu vinha adiando e que hoje venho cumprir.
Inauguro meu blog com um poema que não é muito novo. Foi escrito em 2006, mas acho que volta a ter significado: Planos e Palavras.
                                                                                                                                      Céu de Aruanã-GO
                                
                                       Planos e Palavras
                                      
                                       Estou voltando.
                                       São minhas as asas,
                                       Do pássaro que desce.
                                       Eu voo e volto
                                       De um plano para outro.
                                       E voo e volto,
                                       Voo e volto.
                                      
                                       Eu mudo de plano
                                       Ou mudam-se
                                       Os planos?
                                       Planando, eu
                                       Viajo em mim.
                                       Íntima alma
                                       Desconhecida.
                                      
                                       Estou voltando
                                       Do plano profundo
                                       E distante
                                       Do universo
                                       De dentro de mim.
                                       Dos vazios
                                       Que me formam.
                                      
                                       Estou voltando
                                       Porque o ar já me faltava
                                       Como falta a todos
                                       Os que tentam
                                       Ir pra longe.
                                       Seja para o alto
                                       Seja ao profundo.
                                      
                                       Já me aproximo do chão.
                                       E vejo os montes
                                       De natureza erotizada,
                                       Os rios
                                       Desenhados em sua pele.
                                       Vejo as casinhas
                                       Uma delas é a minha.
                                      
                                       Estou voltando e preciso
                                       Dar nome às coisas
                                       Que não me dou conta de ter visto
                                       No plano onde eu estava.
                                       Nomeá-las,
                                       Para que se expliquem
                                       E deixem de me incomodar.
                                      
                                       Estou voltando
                                       Do plano onde as almas se calam.
                                       Onde,
                                       Por alguma urgência
                                       De sua natureza
                                       Decidem se recolher.
                                       Porque o ar já me faltava.
                                      
                                       Estou de volta
                                       Do plano onde não há palavras
                                       Nem julgamentos.
                                       Mas aqui, na concretude,
                                       Tudo precisa ter nome
                                       E por eles são julgados
                                       Explicados, condenados.
                                      
                                       Aqui, a palavra é Senhora.
                                       Escravos delas
                                       É o que somos.
                                       E como doem
                                       Ai, como nos maltratam
                                       Os sentimentos
                                       Que não se explicam.

      *Publicado na Antologia 2007 do VI Concurso Kelps de Poesia Falada.

4 comentários:

  1. O medo é amigo da coragem. É preciso ter muita coragem para se assumir o medo. Parabéns pela coragem de enfrentar o medo e desnudar seu talento.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo blog, Regina! Já estava na hora de mostrar seus trabalhos na rede. Começou muito bem, com um poema lindo. Amei! Voltarei de vez em sempre. Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Regina,entendo seus medos porque tenho um blog e sei dos compromissos, compromissos com a regularidade e com a qualidade das postagens. Antes de criá-lo, não sabia de nada disso.
    - E eu com isso? Questiona a consciência.
    Agora é ter firmeza e honrar os compromissos assumidos às cegas.
    Quanto a você, parabéns pela coragem cultivada.
    Parabéns também pela introdução, que é brilhante;parabéns pelo poema, que é profundo e realístico.
    Sucesso, viu!

    ResponderExcluir
  4. Percebo em você a infinita necessidade de transpor o senso comum, navegar no autoconhecimento e descobrir seu enorme potencial. Parabéns.

    ResponderExcluir