terça-feira, 19 de abril de 2011

A falta

É cheio de quê,
O vazio?
Qual contorno
O delimita?
Quando vais,
Ele fica.

Movimenta-se como,
A falta?
Como revira-me
Assim?
Ela não chega
Mas fica.

De que matéria é feita
O que nem sei
Se é perda ou vão?
Ela fala
- Estranha língua -
Entendo nada.

Como pode
O vazio
Tão astuto ser?
Percebe o abandono
E vem sorrateiro
Me preencher.

4 comentários:

  1. A falta é isso mesmo, meio incompreensível, mas toda imaterial; espera só o apagar das luzes e então...
    Abrços, minha Regina!

    ResponderExcluir
  2. Show, Regina! Inspiradíssima! Ah, essas faltas cheias de ausências! Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Vazio preenchido pela inspiração...

    ResponderExcluir
  4. Sua poesia preenche qualquer vazio que pudesse existir. Vida longa a ela. Tão longa e infindável quanto a sua, porque fruto d´alma.

    ResponderExcluir