quinta-feira, 26 de maio de 2011

O lugar


Já vou.
Não tenho malas para a bagagem,
Mas vou.

Eu disse a alguém pra onde vou?
Alguém que tenha ouvido, me diga,
Porque o trem já apita.

Tuuuuuuu...
– Venha, menina!
– Já vou!

Não vai dar tempo de esperar
Alguém se lembrar do tal lugar.
Vou chorar.

Será a partida sempre assim,
Doida, doída, rasgando pedaços da gente
Com gente que fica na despedida?

– Bilhete!
– Tenho não, moço!
O moço nem se importou.

Agora começa a passar tudo
Como na poesia do Bandeira
Cerca, bicho, povo, ponte, poste...

Ah, liberdade!
Que bom que não conseguimos as malas!
Ah, surpresa!

Mas parece que alguém disse alguma coisa
O lugar...é sobre o lugar...
Ah! Deixe o lugar pra lá!

8 comentários:

  1. ^^, sou sua fã!texto simples, mas de uma belezaa grande.

    ResponderExcluir
  2. Posso ler nas entrelinhas que o lugar é... Bom, também não quero que me digam e gostaria que esse lugar não existisse.
    Sensacional, minha Regina!

    ResponderExcluir
  3. O poema é bonito, sensível, tocante, mas fique com a gente, Regina! E fique também com um beijo de até breve. Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Tô com a Carla Ceres. "Fique com a gente, Regina!". Mesmo que viaje muito e sempre.

    ResponderExcluir
  5. Os lugares ficam melhores com sua inteligente companhia. Continue brilhando!!!!

    ResponderExcluir
  6. Ah, liberdade!
    Que bom que não conseguimos as malas!
    Ah, surpresa!

    Quase pude sentir a brisa envolvente dessa liberdade que de repente surgiu! O lugar não mais importa!
    Linda paisagem se formou em minha mente,enquanto lia o poema...
    Parabéns,Rê!

    ResponderExcluir
  7. Regina, o importante é ir. O resto, se vê depois...
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. O lugar pode ser agradável ou não... basta que saiamos com o desejo de que ele seja sempre o mais belo a nos receber...
    E como é bom ir, assim, sem bagagem alguma - só com o coração!
    Abraços

    ResponderExcluir