segunda-feira, 16 de abril de 2012

Compartimentos

Meu relógio-cuco foi um presente de meu pai, que o ganhou de um ex-patrão alemão, que o guardava numa caixa, que guardava outras histórias. Ele tem dois passarinhos: um sempre foi tímido (só saía de vez em quando) e o outro cantarolava ao público a cada 15 minutos. Hoje, os dois andam caladinhos...

Meu tempo estava guardado em compartimentos. As frações dos dias e suas surpresas agendadas organizavam-se em espaços próprios. Numa gaveta, a casa; em outra, o trabalho. Uma para os amigos, a família, os amores; outras para a poesia, a escola, as ruas, os livros e os jornais. A poesia e seus papéis ficavam sempre apertados, nunca couberam em seus espaços e acabavam invadindo as outras gavetas. Levavam e buscavam alguma distração em todas.
Um dia, foi baixado um decreto: “Fica proibido distribuir o tempo em departamentos”. Abriram-se minhas gavetas e tudo caiu no chão. Misturou-se tudo, pessoas e miragens, cartas e notícias. Misturaram-se as letras, não havia mais poesia. Meu relógio-cuco parou, porque ninguém lhe dava mais corda. Nem eu. É fato que os passarinhos eram mesmo inconvenientes, avisando sempre o compasso do tempo. Mas, serem trancafiados daquele jeito, condenados a não mais sair nem pela janelinha, foi muita crueldade.
Tudo no chão esparramado
E os passarinhos presos, coitados!
Mas de nada adiantaria libertá-los,
Eles nunca foram algo mesmo real,
Nada além de dois pedacinhos de pau.

4 comentários:

  1. Muito linda a sua crônica (é crônica?), como sempre seus escritos o são. Esta, da vida real (ou não, como diria Gil). Achei duro o final, especialmente por a conhecer. Quem dirá que os cucos não tem vida mesmo que no pensamento que viaja?

    ResponderExcluir
  2. Eu concordo com o Cláudio, Regina. O texto é lindo, mas você foi dura com os passarinhos, talvez porque ainda não acredite que sua poesia tem asas de verdade. Mas tem sim. Beijos!
    Ah, eu ia me esquecendo: aqui tem algo que pode ser útil pro seu blog:
    http://herculanoneto.blogspot.com.br/2012/04/revolta-dos-replicantes.html
    Mais beijos!

    ResponderExcluir
  3. Regina, que vigor minha amiga, escreve com a alma, adorei. acredito que você poderia desenvolver este texto para participar de concursos, achei ele pequeno, queria ler mais. Ele está muito rico, profundo, cheio de significados ocultos. se Carol lê vai logo dizer que os passarinhos que marcam o tempo é seu jeito certinho de ser e que agora você quer revolucionar. Eu aprovo. Viva La Revolucione!!

    ResponderExcluir
  4. Viva o jogo! Viva a ilusão e a imaginação! Ainda bem que podemos jogar e experimentar outras "realidades" e vc Regina, joga bem demais com as palavras!
    Abraços!!

    ResponderExcluir