quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Do que me ultrapassa



A Woman Reading - Claude Monet


Deito-me de novo
Entre as mesmas rosas
E não sei se viverei

Mais que elas.




9 comentários:

  1. O grande dilema humano, saber que é efêmero.

    ResponderExcluir
  2. Nossa finitude e a das flores têm quase a mesma transcendência...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Tem que viver, Regina. Bons poetas fazem falta, mas pessoas boas fazem mais falta ainda. Você reúne os dois. Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Ninguém sabe o tempo que vai viver , mas enquanto cá estamos devemos aproveitar os bons momentos que a vida nos proporciona e apreciarmos a beleza que a Natureza nos oferece e a Poesia com que muitos Poetas nos brindam !

    ResponderExcluir
  5. Vivaaaa, por favor!
    Já se foi um magnífico poeta esses dias, precisamos de vc! hahaha
    Sou sua fã!

    ResponderExcluir
  6. Querida Regina
    Não importa se a vida é curta. Interessa, sim, que seja perfumada como a das rosas.
    Mas a sua (sei, porque você merece... e assim espero...) vai ser perfumada e longa!

    Beijos e carinhos meus.
    Mariazita

    ResponderExcluir
  7. Bom dia Regina,
    Deitar entre rosas é bom demais. Sobreviverá, acredite ;)
    bj amg

    ResponderExcluir