quinta-feira, 7 de maio de 2015

Madrugada



Pintura de John Atkinson Grimshaw



É madrugada,
Não se vê quase nada.
Ouço animais da noite
E sinto o vento gelado.
Silêncio! É mais prudente,
Porque é madrugada
E vemos quase nada.




6 comentários:

  1. Parece que você fez o poema inspirada pela ilustração, Regina. Ficaram lindos juntos. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. A Carla falou tudo. Adorei a composição dos dois!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. A Carla falou tudo. Adorei a composição dos dois!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. A Carla falou tudo. Adorei a composição dos dois!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Rê... Super a minha cara esse poema! hahahaha

    Sombrio, lindo, profundo! Amei... Bravo... Bravo!!!! (Aplaudindo vc)

    ResponderExcluir
  6. Olá, Regina.
    A madrugada, com todas as suas ausências e silêncios ou, na sua vez, pequenos ruídos que se agigantam no escuro e suas sombras, apesar de amada por alguns, é sempre associada à solidão e aos medos. Não sou fã da madrugada, confesso. Sou mais animal do dia e de toda a luz e vida que ele carrega consigo. Da madrugada, gosto do seu final, que traz a aurora ;)

    *Porque é bom demais, apesar de à distância, lhe envio um abraço bem apertado.
    bj amg

    ResponderExcluir